Fraude milionária na Saúde do Rio de Janeiro evolve o nome da piloto Bia Figueiredo; equipe da Stock suspende contrato, até apuração dos fatos

Piloto da Stock Car e mulher de destaque no automobilismo internacional, Bia Figueiredo tem nome ligado a escândalo.

Publicado por: em 25 de junho de 2020 - 23:36

Ver Perfil

Escândalo

Bia Figueiredo, nome sujo?

Bia Figueiredo tem nome ligado a fraudes milionárias na Saúde do Rio, e equipe a suspende. Foto: Rafael Gagliano / Hyset

Uma das mulheres de maior destaque do esporte a motor brasileiro e atualmente piloto da Stock Car, Bia Figueiredo teve seu nome ligado a um escândalo de corrupção na área da Saúde no estado do Rio de Janeiro nesta quinta-feira.

O envolvimento da competidora está vinculado ao seu marido Fábio Souza, integrante da organização social de saúde Instituto dos Lagos Rio. Ele e o pai, Juracy Batista, sogro de Bia, são acusados desviar mais de R$ 9 milhões dos cofres públicos estaduais.

O caso já tem desdobramentos no âmbito desportivo: a equipe de Bia na Stock, Ipiranga Racing, anunciou que a piloto está suspensa do time “até que os fatos sejam esclarecidos”.

ENTENDA O CASO

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) realizou nesta quinta a operação Pagão, que cumpriu sete mandados de prisão e 14 de busca e apreensão expedidos contra 12 denunciados por organização criminosa, peculato e lavagem de dinheiro. Os denunciados são integrantes da Instituto dos Lagos Rio e são acusados de desviar mais de R$ 9 milhões dos cofres públicos estaduais. O caso envolve o nome de Bia.

De acordo com a denúncia, o Instituto teve empenhados em seu favor R$ 649 milhões entre os anos de 2012 e 2019, para a gestão de unidades de saúde do Rio , tendo comprovadamente desviado parte substancial dos valores. A denúncia demonstra, ainda, que a organização social sequer dispunha de aptidão para assinar contratos de gestão com o Estado, mas forjou sua capacitação técnica graças a obtenção de atestados técnicos falsos.

Uma das empresas beneficiadas era a F71, de Juracy e Fábio. A F71, segundo a investigação, transferiu um valor total de R$ 1.576.000 mil para a B3Três, empresa de Bia. A promotoria indicou que se trata de uma “empresa de papel” para ocultar os pagamentos feitos à F71.

O desvio de dinheiro público se dava com o pagamento de valores superfaturados em favor de empresas, sob o pretexto da aquisição de produtos ou terceirização de serviços necessários ao atendimento das UPAs e Hospitais administrados pelo Instituto Lagos Rio.

Também segundo a denúncia do Ministério Público, a ação narra que as contratações de serviços e as aquisições eram direcionadas para empresas pré-selecionadas, controladas ou previamente ajustadas para o esquema.

O MP apurou que o governo do Rio repassava ao Instituto dos Lagos Rio, chefiados por Juracy Batista e o filho, Fábio Souza, verba para pagamento de fornecedores. Uma deles era a F71, que pertencia a ambos. A F71, segundo a investigação, transferiu um valor total de R$ 1.576.000 mil para a B3Três, empresa de Bia Figueiredo. A promotoria indicou que se trata de uma “empresa de papel” para ocultar os pagamentos feitos à F71.

Outros documentos apontam pagamentos diretos da F71 à B3Três para uso de Bia na Stock. Após a realização do pagamento superfaturado, o repasse dos excedentes era feito aos dirigentes da organização ou para terceiros indicados por eles. Segundo o GAECC/MPRJ, o repasse ocorria com dinheiro em espécie, sacados “na boca do caixa”, de modo a ocultar a verdadeira destinação dos recursos públicos desviados ou ainda utilizando empresas “de fachada”.

De acordo com a investigação, Juracy e Fábio tiveram papel central na operação. Também foram denunciados Fernanda de Souza Risden (cunhada de Bia), José Marcus Antunes de Andrade e os ex-dirigentes Sildiney Gomes Costa, José Carlos Jorge Lima Buechem, Hugo Mosca Filho.

Os empresários apontados como integrantes do esquema são Renê Borges Guimarães, José Antonio Sabino Júnior, José Pedro Mota De Sousa Ferreira, José Antônio Carauta de Souza Filho e Gustavo de Carvalho Meres. A denúncia foi recebida pelo Juízo da 35ª Vara Criminal.

Da redação do Portal de Esportes com informações do Yahoo Notícias.