Náutico usará numeração fixa durante todo ao ano de 2020

O elenco conta com 33 atletas para disputar quatro competições no ano: Campeonato Pernambucano, Copa do Nordeste, Copa do Brasil e Série B.

Publicado por: em 19 de janeiro de 2020 - 12:31

Ver Perfil

Competições

A partir deste domingo (18), na estreia oficial do Náutico na temporada 2020, os jogadores alvirrubros usarão numeração fixa em todos os uniformes da marca N Seis. Hoje, o elenco conta com 33 atletas para disputar quatro competições no ano: Campeonato Pernambucano, Copa do Nordeste, Copa do Brasil e Série B. Nem todos os números têm explicação, mas separamos algumas justificativas especiais: família, homenagem a jogadores, Aflitos.

Um dos casos mais emotivos é o do volante Luanderson. O volante escolheu o número 43 porque é a soma do dia do nascimento dos filhos Maria Liz Silva, de 10 anos e que faz aniversário no dia 19 de setembro, e Thiago Fabregas Coutinho de Souza, com 2 anos e que nasceu no dia 24 de novembro. O filho Thiago, por sinal, tem sobrenomes que homenageiam atletas da elite do futebol mundial: Cesc Fabregas, craque de Barcelona, Arsenal, Chelsea e agora no Mônaco e Phelippe Coutinho, meia da Seleção Brasileira e do Bayern de Munique.

No lado familiar também está o zagueiro Carlão, que pegou a camisa 48 porque é o ano de nascimento da madrinha Helena Cristina. Helena foi fundamental na criação do defensor, e cuida dele até hoje.

Luis Felipe e Paiva usaram a ligação com os Aflitos para escolher. No caso do primeiro, o número foi o 35 porque a soma dá oito, que foi a camisa que usou no jogo da reabertura do estádio, contra o Newell’s Old Boys (ARG), em dezembro de 2018. Foi a estreia do volante como profissional. Já o paraguaio escolheu a 19 porque foi a primeira camisa dele jogando no Caldeirão, no amistoso de pré-temporada contra o ABC, no final do ano passado.

Jogadores que são inspiração também foram lembrados, seja do futebol mundial ou do próprio clube. O goleiro Renan, que subiu nesta pré-temporada para o profissional, fará homenagem ao companheiro Jefferson, um de seus exemplos no futebol e que começou com o número 32 no Náutico. Já o atacante Júlio é fã do craque Neymar e pegou a 21, mesmo número que o atual jogador do PSG fez sua primeira grande aparição pelo Santos, ainda na Copa São Paulo de Futebol Júnior, em 2008.

Uma justificativa bem comum tem a ver com o nascimento dos atletas. Nascido em 1998, o volante Rhaldney usará a 98. Mais velho, Jefferson Nem usará a 96, assim como Salatiel (92). Já Jorge Henrique (23) e Jhonnatan (18) escolheram o dia em que nasceram. A primeira vez como profissionais também foi critério. O goleiro Halls pegou a 54 porque começou pelo Vasco com o número, mesmo caso de Rafael Dumas (34, no Flamengo). Apesar de não ter iniciado com a 66, o lateral Erick Daltro repetirá a camisa que fez sucesso em Portugal, entre 2015 e 2016.

Vários jogadores repetirão os números de 2019, ano do acesso para a Série B e do título da Série C. São os casos de Jefferson (1), Hereda (2), Diego (4), Josa (5), Wilian Simões (6), Álvaro (7), Matheus Carvalho (11) e Jean Carlos (10). De volta, quatro atletas também usarão novamente as camisas que tiveram sucesso no passado: o zagueiro Ronaldo Alves (3), o lateral Bryan (31) e os atacantes Erick (33) e Kieza (9) querem repetir a fórmula de sucesso das passagens anteriores no clube.

NUMERAÇÃO FIXA EM 2020

Goleiros: Jefferson (1), Marcão (12), Halls (54) e Renan (32)

Laterais: Bryan (31), Hereda (2), Bahia (22), Wilian Simões (6) e Erick Daltro (66)

Zagueiros: Rafael Ribeiro (30), Diego Silva (4), Carlão (48), Lombardi (25), Ronaldo Alves (3), Rafael Dumas (34)

Meio-campistas: Josa (5), Wagninho (17), Rhaldney (98), Luanderson (43), Jhonnatan (18), Lucas Paraíba (20), Luis Felipe (35), Jean Carlos (10), Matheus Carvalho (11) e Jorge Henrique (23)

Atacantes: Wanderson (80), Jefferson Nem (96), Álvaro (7), Erick (33), Júlio (21), Salatiel (92), Kieza (9) e Paiva (19)

Fonte: Do Portal de Esportes, com informações da assessoria do Clube Náutico Capibaribe